O Diva de Portugal

Que há para dizer? Isto é um blog... Ah, sim! Se quiserem entreter (vulgo, contactar) alguns dos desocupados que fazem isto, usem os e-mails da Beatriz, da Inês, ou do Joao.

sábado, agosto 21, 2004

Frustrante

Sempre que os meus amigos me perguntam que emprego quero para a minha vida adulta, respondo, brincando por fora, com sinceridade por dentro, que quero ser um Deus do Heavy-Metal. Olho fugazmente para o meu quarto perguntando-me se terei tudo aquilo que é preciso. Os posters estão na parede. A guitarra está encostada a um canto. O amplificador tem uma luz vermelha acesa indicando uso recente e marca o ponteiro do ganho de distorção no máximo. A primeira t-shirt na gaveta tem MANOWAR escrito a letras vermelhas. A torre dos CD’s é uma longa coluna vertical em que sobressaem letras agressivas formando nomes como Slayer, Sepultura, Pantera ou Metallica. A partir de uma pequena aparelhagem, vozes gritam em cima de uma parede de guitarras distorcidas, providenciando uma banda sonora ao conjunto. Até aqui tudo bem. Depois passo em frente ao espelho e deparo-me com uma dura verdade. Nunca escreverei o próximo hino sombrio do trash-metal. Falta-me algo essencial para ser um músico de heavy-metal: bagagem emocional.

Melhor resposta às mesmas perguntas imbecis de sempre

Intervenientes: Repórter tão imbecil quanto a pergunta.
Kerry King (aka KK - “King of Kings”)– guitarrista da banda de trash-metal Slayer

R - What is your answer to all those people who accuse you and other members of Slayer of being Satanists?
KK - Have you ever heard my lyrics? Does it seem to you like I still believe in God in this world?
R-No.
KK- So how could I believe in Satan?…

Diário de Férias IV

Todos aqueles racistas da velha guarda deviam ser mandados para o Algarve durante estes dias de Verão. Tentarem ser atendidos num restaurante falando português deve fazê-los sentir na pele o que custa a discriminação.

Diário de Praia III

Estou sentado na praia e reparo, com algum espanto, no carinho e alegria com que um homem (o pai?) trata um pequeno bebé. A dado momento o homem vira-se e permite-me ver as costas da sua t-shirt branca: uma imagem complexa da qual ressalta uma caveira e umas letras negras de aspecto trabalhado e vagamente fascista que formam as palavras Tribunal do Santo Ofício. Os homens são seres complexos.

sexta-feira, agosto 06, 2004

At Last!

Suponho que é uma falha humana comum mas é verdade que nos é mais fácil dizer mal do que elogiar. No entanto, por uma questão de justiça, este post é necessário. Há tempos deixei aqui um post protestando contra a absoluta inexistência de divulgação do metal português nos media, indiferentes ao facto de ser dos poucos estilos que consegue algum reconhecimento lá fora. Para o fazer usei o exemplo do último álbum dos The Temple. Pois bem, esse mesmo álbum teve direito a uma crítica na Visão desta semana. Como não podia deixar de ser o artigo era francamente elogioso. Um elogio também para a Visão por mostrar estar atenta.

Avante!...

O DN de hoje publica um pequeno artigo noticiando um estudo que elege a Coca-Cola como a marca com maior notoriedade. Legenda da foto que acompanha o artigo:

Água suja do imperialismo” domina o planeta

?????

Diário de Verão II

Vi o pôr do sol de um avião.

Diário de Verão I

Vi o nascer do sol de um avião.

sexta-feira, julho 30, 2004

De férias

Como o título sugere, vou de férias. Assim, a frequência com que posto vai passar de rara a nula. Até Setembro.

A máquina do tempo

Não sei como, mas viajei no tempo. Devo estar em Julho ou Agosto de 2003 - o país em chamas. Ou então não, e a história repete-se...

quarta-feira, julho 28, 2004

Mais mitos

Ten Recurring Economic Fallacies, 1774?2004 


sábado, julho 24, 2004

Música

Por alguma razão cujo alcance me escapa, as músicas soam muito melhor quando ouvidas num carro em movimento. Aliás, melhor ainda, as músicas fazem muito mais sentido quando ouvidas num carro em movimento. E, sinceramente, para um music-fanatic como eu, ir ouvindo atentamente uma música e tomar consciência do significado de uma canção é profundamente satisfatório. Uma espécie de epifania musical. Não consigo entender aquelas pessoas que conseguem gostar de uma música sem fazer a mais pálida ideia daquilo que ela diz. Quando descubro uma música que me cativa, não descanso enquanto não acho a letra. Por isso, e porque hoje tive a sorte de fazer – oh, delícia! – uma viagem de carro de phones nos ouvidos, decidi partilhar aquelas músicas que me dizem muito sobre determinados temas.
 
Amor – Everything Ends, Slipknot
Morte – Tree of Pain, Soulfly
Amizade – At The End of August, 36Crazyfists
Tristeza – Fade to Black, Metallica
Revolta – Tear It Down, Hatebreed
Separação - I Could Have Lied, RHCP
Dor - One, Metallica
Abandono – Something In The Way, Nirvana
 P.S. Se alguém sentir vontade de partilhar a sua lista nos comments…go ahead.

Já sabes

 
Inês, és a melhor baixista que eu conheço!

quinta-feira, julho 22, 2004

Breve

Como é que se mede o brilho, a suavidade ou o "grau de alisamento" dos cabelos? Estranho, não? Mas na grande maioria dos anúncios de champõs anuncia-se um cabelo 2x mais brilhante, ou 3x mais liso ou 4x mais liso...

terça-feira, julho 20, 2004

The dusk of teenage angst
Isn’t that sweet?
See…I can hate to the core
Thoroughly
Just out of pure, hasted spite
God…I would love to be the one to hold the glock against your head
Cause…you see
I don’t owe any of you a goddamn thing
Actually…
I believe gobsmacked is the word
Diogenes was so fucking wrong
T-minus MY life and counting
And in the end we all live and die the same
And what’s gone, is gone
Cause that’s “our” way
And I’ve fucked too much
And lived too little
The problem with being strong
Is that there’s no one there to watch
And there was never anyone to begin with, now was there?
So I just lay down
Strung-out
As I crave for Morpheus
To enter me into a brave whole new day
So I can continue roaming through life
Flutter between hours that turn into days
Isn’t it weird
What a wreck of life man is
“Forget the freak, we’re just nature”
Feeble and godforsaken

segunda-feira, julho 19, 2004

Biography - part1

Life it seems, will fade away
Drifting further every day
Getting lost within myself
Nothing matters no one else
 
I have lost the will to live
Simply nothing more to give
There is nothing more for me
Need the end to set me free
 
Things are not what they used to be
Missing one inside of me
Deathly lost, this can't be real
Cannot stand this hell I feel
 
Emptiness is filling me
To the point of agony
Growing darkness taking dawn
I was me, but now He's gone
 
No one but me can save myself, but it's too late
Now I can't think, think why I should even try
 
Yesterday seems as though it never existed
Death greets me warm, now I will just say good-bye
 
                                                         
                                                                         Metallica- Fade to Black